Procurando a direção

8:14 PM

Foi num piscar de olhos, que tudo mudou, minha vida se encontrou numa sintonia, plena sintonia que eu tinha medo de esquecer e ao mesmo tempo implorava que chegasse ao esquecimento; esquecimento momentâneo, pelo menos. Principalmente pela noite, ao dormir percebo que as idéias chegam a mim como ventos fortes, eles me tomam sem que eu possa controlar nada! Os medos, as lembranças, tudo incontrolável. É evidente que existe uma dependência aqui, dependência de uma pessoa que proporcione esse estado elevado de espírito, segurança, alegria, enfim... Mas de modo geral, eu detesto admitir que isso é necessário pra viver completamente satisfeita. Não que eu esteja renegando o amor, claro que não! Eu apenas detesto a idéia de me ver, me imaginar um dia “sozinha”, ou pelo menos sem alguém que tenha a mesma importância de um órgão vital. Eu paro e me vejo, aceito a condição de que devemos dar um passo de cada vez, aceito a condição de ter esperança, quando tudo, absolutamente tudo ao meu redor me prova que são passageiros, uma força tenta ser expulsa daqui de dentro, dizendo que da pra ser feliz, que eu devo acreditar no meu agora. Eu faço isso. Há certos momentos que começo a rir, pensando nos porquês de pensar nisso, se sou tão nova, não deveria... Mas eu faço, eu penso, eu sou isso. Estava tudo se ajeitando, aos poucos eu tava me adaptando a viver por mim somente, sem perspectivas nesse tema... Então de repente eu vi pouco a pouco seu sorriso ali, apenas pra mim, fazendo minhas lagrimas escorrerem numa velocidade mais forte do que a luz, se brincar. São sensações que amedrontam, minha vontade era pausar o mundo ao redor e ouvi-lo, vê-lo, e ao mesmo tempo eu queria fugir, em menos de um segundo correr pra muito longe. Eu já disse que sinto medo. Sinto muito. É um sentimento que preciso controlar, em todos os sentidos; tanto o medo quanto os velhos erros, que insistem em tentar me puxar. Praticamente todo esse pesar, não é exatamente por alguém, é por mim. É difícil conviver com alguns sentimentos que pra algumas pessoas é tão simples de lidar. Bom, o fato é que cada um carrega sua cruz, cada pessoa tem sua própria briga interna. Eu às vezes queria poder dizer tudo que eu penso tudo que me maltrata em mim mesma, mas nem seria possível, mesmo que eu tentasse... É algo crônico, todo mundo carrega em si. Tem momento em que me questiono, até que ponto o medo é apenas medo, quando é que ele ta se tornando um sentimento ruim, estranho mesmo... De tentar mudar, ou não, não isso exatamente... Bem, nem sei definir, quando o medo ta tomando espaço pra pessimismo, auto-sabotagem mesmo. Eu já cansei de dizer que, frequentemente afeta a mim mesma com isso. Acho que estou vivendo novamente meu melhor momento e novamente perdida em pensamentos. To começando a achar que isso não muda, não importa quem for ou a situação que for, sou a mesma menina que me perco nos porquês. Não sei até onde a culpa é minha, a culpa é de outra pessoa que gera isso, eu apenas me sinto como uma refém de mim mesma. Mesmo as coisas antigas, depois de um bom trato soam como novas, então o cuidado volta a origem... Acho que é isso. Veja que o amor resiste, olhe, prova, sente, toca(...) Independente de tudo, existe alguém que pode entender meu interior, que pode entender sem que eu diga, afinal, amanhã será um novo dia.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Nossa. Você escreve super bem. Adorei. Essa parte me chamou atenção: "São sensações que amedrontam, minha vontade era pausar o mundo ao redor e ouvi-lo, vê-lo, e ao mesmo tempo eu queria fugir, em menos de um segundo correr pra muito longe." É exatamente como eu me sinto, as vezes...

    ResponderExcluir