Não aprendi a me render

7:55 PM

O ano já começou e não apagou o que precisava ter ficado lá atrás junto com o ano passado. Claro, como sabemos, a vida é uma mãe piadista que nos enche de surpresas, mas também castiga. Vou começar pela parte que eu prometi a mim que faria o possível pra transformar meu momento em algo diferente, favorável só a mim, assim bem egoísta! Aqueles votos que fazemos todos os anos, sobre cumprir metas, prazos, abandonar uma rotina "x" e apostar numa "y", etc., eu prometi só uma coisa importante: que faria diferente. Pois bem, eu comecei o ano com uma nova tatuagem falando de amor, mais uma marca pro meu corpo retratando o que eu acredito até a hora da morte. Eu prometi que não amolaria tanto meus amigos ou pessoas queridas ao redor com assuntos meus. Prometi milhares de coisas, inclusive mudar coisas mínimas, como meus horários. Eu quero e preciso refazer meus horizontes. Hoje eu estava ali no recomeço das aulas, no novo horário, porém no mesmo lugar. Aqui entre nós, que sensação estranha! Eu estava no mesmo lugar que aguardava todas as noites, e coincidentemente no mesmo prédio, já que o destino não se contenta em me colocar apenas no mesmo espaço. Era um horário oposto, mas por dentro só eu sei os receios que senti durante cada passo, como se em cada esquina aparecesse ali o que eu me recuso a encontrar. Foi uma escolha tão corajosa de minha parte optar por uma simples mudança (aparentemente) de horário, mas por trás disso há muitas coisas. Não foi o horário, não foi trocar as lâmpadas pelo sol... Foi parar de me sabotar. Só quem já viveu de forjar situações pra sofrer, pra botar a cara à tapa sabe como é difícil optar por simplesmente evitar. Lendo assim até pareço uma covarde, como quem foge e evita extremos, mas quer saber... Eu fujo do que me causa desconforto. Eu fujo de sapatos bonitos e desconfortáveis, fujo de sutiãs apertados, comida aparentemente atraente, porém fedorenta, sei lá, de tudo que não me soa bom. Se eu confessasse metade das sabotagens que ainda faço, com certeza levaria uns bons tapas por aí, pra deixar de ser tão tola, mas se posso me poupar de algumas, por que não?! Sempre falei bastante de amor, do que havia numa relação de amor, no entanto nunca havia percebido que amor também envolve justiça. Como boa ariana que sou, tenho nojo de qualquer atitude falsa, mentirosa, desleal, injusta. Justiça no amor significa preservação, é fácil perceber a relação entre as duas posições. Eu não era justa comigo mesma, eu não me preservava. Algumas situações, por mais dolorosas e ao mesmo tempo, que criam dependência, são as mesmas que devemos nos proteger... Porque amar é maravilhoso, mas amor é bonito, não maltrata ninguém. Eu já absorvi essa etapa, agora é o momento de ser justa. Quando a gente se sabota, se coloca em "zona de perigo" pra conseguir migalhas, automaticamente estamos dizendo que é esse tipo de sentimento que merecemos. Eu entendi que ser justa comigo é não aceitar menos do que ofereço. Por mais que doa, por mais difícil que seja abrir mão do comodismo, a mudança é feita em boa parte a partir de nós mesmos. Ah, não poderia deixar de dizer também que algumas mudanças não dependem somente de nós, são necessárias, mas ultrapassam a linha de escolha, devemos encarar isso com naturalidade. Se um dia foi plantando rosa dentro do coração e posteriormente virou espinhos, mesmo com a dor, não conseguimos arrancá-la com a racionalidade que deveria ser... Foi plantada com verdade. Acho muito importante respeitar esses estágios, de que a vida, os sentimentos, as escolhas, tudo depende de querer e esperar. Dar tempo ao tempo é ser justo com a vida. _____________________________________________________________________ Para os bons apreciadores e aqueles que, assim como eu, conseguiram conectar o texto com a letra:

You Might Also Like

1 comentários

  1. "Eu fujo do que me causa desconforto"

    Temos mais é que querer o que nos traga bem-estar mesmo...
    Se fugir é a alternativa do momento, que seja então...
    O importante é encontrar àquilo que nos deixa tranquila, que preserva nossa paz de espírito...
    Que tola o quê, menina? Você é alguém com quem eu me identifico demais Rai... Me vejo muito na suas histórias, ....
    Ps.: Adorei a música *-*

    R.

    ResponderExcluir