Para bom ou mau entendedor

8:43 PM

Hoje me pus a pensar em te escrever diretamente, como quase sempre o faço aqui, mas pensei numa maneira diferente e depois de pensar mais um pouco, desisti. Por conhecê-lo demais ou achar que conheço, sei que não adiantaria. Algumas vontades podem ser fortes, mas existe uma força bloqueadora maior ainda. Engraçado que estou em desvantagem porque sempre me mostrei muito mais frágil e franca, nunca conseguia fingir por muito tempo o que estava sentindo, ta bem, às vezes por alguns minutos, mas meus olhos traidores logo te avisavam. Eu desejava que ao invés de transparentes, minhas lentes de contato fossem foscas, me ajudasse a esconder lágrimas ou alegria que gritava num olhar. No teu sorriso. Não vou mentir, até porque nunca consegui, mas é bastante complicado para eu compreender as circunstâncias que o levaram para tão longe, mas eu não quero chegar ao ponto que tenta entender... Quero falar somente do que penso quase todo minuto. Eu queria ser surpreendida de um jeito maluco, sabe? Queria um dia levar um susto, bem maior do que os que eu penso em te dar. Eu só penso, no fundo acho que não vale muito a pena, você nunca foi facilmente impressionável. Eu imagino uma ligação repentina, poderia até desligar na minha cara quando eu atendesse, sei lá, inventa, você é bom nisso. Mas você não vai. É isso que mata. Bom, eu sou meio doida mesmo, se te contasse tantas ideias que me passam a cabeça, talvez você nem acreditasse, mas não posso cobrar nada, também não ajo, guardo aqui, quem sabe um dia. Ando um pouco cansada ultimamente, sabe, acho que tenho passado muito tempo somando ideias, relembrando detalhes para tentar chegar numa explicação, gastando outra parte de energia pra me reconstruir... Mas eu sei também quão contraditória posso ser. Você vivia debochando do meu déficit de atenção e hiperatividade, mal sabendo que isso aparentemente também surge na minha maneira de pensar, sentir. Ao mesmo tempo em que morro de desilusão, caio no chão, me envergonho dessa atitude e arranjo forças pra reacreditar em algo que (ta, vou admitir) quase sempre suspeito – que você não saiba da metade, de um terço sequer, do que se passa dentro de mim. Você não lê nada, não pensa, e vive normalmente, como deve ser. Como deve ser... Que imbecil isso, não existe um caminho certo, digo por experiência própria. Vou contar também que desde aquele dia tenho evitado qualquer aproximação que pudesse me ferir mais. Me distanciei de lugares que pudesse te achar, de pessoas, ferramentas virtuais, qualquer coisa. Eu só não o livrei de um lugar. Esse lugar transborda de memórias boas e ruins, mas não são essas memórias que definem seu lugar, é o valor que foi dado. Sei lá, mesmo meio cansada de cair e levantar, cair e levantar, eu desejo também buscar mais uma força, pra saber tomar decisões certas e domar um pouco meu coração. Nem sempre eu sei o que ainda sinto, mas pelo menos sei do que não sinto. Isso é sobre mim mesma e sobre tudo o que eu sempre acreditei de plantar e colher... Eu planto bondade e apesar das adversidades, sei o que colherei. A bondade também atinge você. É meu desejo, pela felicidade. Em muitas situações eu me apaguei e me anulei, apenas porque queria manter "bandeira branca" entre nós. Nessas, por medo de haver desapontamentos, esqueci que amor também suja, borra de outras cores, mas se foi/for verdadeiro sempre inventamos uma maneira de devolver a paz. Tua bandeira era longa, quilométrica, tu sabes. A sujeira borrou, manchou de fato, mas de tão longo o tecido, a mancha só parece uma marca de dedo num canto. Eu venho tentando limpar isso, tento e tento... Mas sou perfeccionista, sozinha me canso. Como eu já sei o desfecho dessa história, e não espero nada, só admito de pouco em pouco e por muito tempo... Vou relendo e sempre concluo as mesmas coisas. Amor não se espera, não se implora, não maltrata. Amor não se acovarda. Se vive ou não.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Você me emociona em alguns textos, e esse em especial. :)
    Acho que muita gente se identifica, assim como eu...
    "amor não se acovarda" *-*

    Rouse.

    ResponderExcluir